Alimentos kosher


O certificado kosher designa aqueles alimentos consumidos pelos praticantes do Judaísmo; no entanto, muitas pessoas alheias a esta religião adquirem esses produtos, pois seus padrões de qualidade garantem limpeza, qualidade e saúde.


A cultura judaica é rica em tradições milenares. Muitas delas podem ser considerados ultrapassados ou fora de lugar hoje em dia, mas é um fato que o cumprimento de tais normas permitiu a união entre todos os membros desta comunidade ao redor do mundo.


É claro que ninguém se lembraria de seguir os princípios da religião israelita se suas crenças empatam com o Cristianismo, Catolicismo ou a filosofia budista ou muçulmana, mas o que se pode concordar é em seguir regime alimentar que, mesmo sendo eminentemente judaico, ganha cada vez mais adeptos no planeta.


Falamos sobre comida kosher (que significa “apto” ou “adequado” em hebraico), a qual tem a característica de que pode ser consumida de acordo com as diretrizes que marca o Exemplo (Antigo Testamento), e que hoje desfruta de grande popularidade por seu valor nutricional e a qualidade de cada um de seus ingredientes.


Religião e estômago


O comportamento da comunidade judaica é, sem dúvida, excepcional em muitos aspectos. Os simbolismos são evidentes e aparecem em todos os lugares, e para isso é bom para dar alguns exemplos. Os judeus usam a kipa ou yarmulke (acessório que se colocam os homens sobre a cabeça) para expressar que Deus está acima deles e o que devem respeitar.


Uma tradição muito relevante é a que tem lugar quando a criança cumpre 13 anos (Bar-mitzvá), momento em que atinge a maturidade e, com ela, o compromisso de assumir a responsabilidade de seus atos e de viver de acordo com os preceitos do judaísmo. Mais uma das recomendações desta religião é visitar os doentes e as pessoas desamparada.


No fim, os ritos de este credo abrangem o relacionado com o casamento, jejuns, morte de algum dos membros de sua comunidade, vida em casal, dois no comportamento da mulher, festividades de ano novo e, claro, a comida como elemento essencial em sua doutrina.


Neste sentido, as normas são mais exigentes porque só se permite comer animais que possuem cascos posições e que sejam ruminantes (animais que digerem os alimentos em duas etapas), como o boi, ovelha, cabra, carneiro, frango, peru, pato e ganso (o porco é proibido). Além disso, impede que se consuma o sangue do animal e, se falamos de peixes, estes devem ter escamas e barbatanas para serem considerados kosher, portanto, os frutos do mar estão excluídos de sua dieta.


Um dos preceitos mais cuidado é o de não combinar a carne com leite ou derivados da mesma, assim que quem come carne deve esperar seis horas para poder ingerir qualquer produto lácteo, mas se você bebe primeiro leite pode lavar a boca e então saborear a carne.


Para os judeus mais ortodoxos este tipo de regras são levadas até as últimas conseqüências, o que procuram ter em sua cozinha utensílios para cozinhar frango e carne, e outros para os derivados lácteos (não utilizam a mesma faca para cortar frango e queijo, por exemplo). Também, é tal o cumprimento das obrigações que, em alguns lares hebraicos são usados escurridores, esponjas e toalhas exclusivos para os pratos destinados a carne, e outros para os produtos que contêm leite.


Tal comportamento, que a todas as luzes resulta incompreensível para a maioria de nós, tem explicação: “Na Bíblia, Deus ordenou que os alimentos, que tipo de animais e de que forma podemos comer. É uma lei sem motivo, não há nenhuma razão, simplesmente é uma ordem Dele que nós cremos e seguimos fielmente. É algo estritamente religioso”, explica o rabino Meir Antebi, da Comunidade Judaica Azhkenazi do México.


Qualidade, princípio fundamental


Como se pode observar, os membros desse culto mantêm a todo custo a sua fidelidade aos princípios de suas leis religiosas, circunstância que tem sido a base de sua união e força. No caso da alimentação, é óbvio dizer que eles são os maiores consumidores da cozinha kosher, mas não os únicos.


Por isso, vale a pena conhecer os aspectos mais relevantes da alimentação kosher, isto é, as restrições e exigências em torno dela:



  • Carne. Pode-Se dizer que é a mesma que consome a maioria das pessoas, mas com rigorosos controles de qualidade e higiene. Isso implica seguir rigorosas regras desde o abate do animal, o qual é degolado com slim e filoso faca que assegura o mínimo de sofrimento. Este procedimento é realizado por um rabino shojet, quem se encarrega também de descobrir o estado dos órgãos (fígado, pulmões, cérebro e menudencias), o que reveja total de 70 aspectos para que o alimento seja considerado kosher. Cabe mencionar que a carne é tratada com sal, para que absorva o sangue, e, em seguida, lava-se, para que possa comer.

  • Lácteos. O leite deve ser pura de vaca e não se misturar com a carne, de modo que, queijos e manteiga também exigem certificação kosher.

  • Pareve (neutro). São aqueles alimentos que não contêm carne nem ingredientes lácteos, por isso que todas as frutas, grãos e vegetais em seu estado natural são kosher pareve.

Seguir regime tão rigoroso nos move a refletir e a questionar o que há mais além do sentido religioso e a busca da saúde da comida kosher. A resposta a oferece o rabino Antebi: as regras dietéticas judaicas existe a firme convicção de que a comida não é apenas uma parte dos nutrientes necessários para fortalecer o organismo, mas que também afeta diretamente a personalidade e a alma, o que promove mudanças no comportamento e na conduta das pessoas.


A comida, diz o religioso, “influi sobre a pessoa, e não falo só de saúde física, mas também de saúde moral, porque os alimentos influenciam qualidades individuais. Para nós, aquela pessoa que consome comida kosher, permitida pela Bíblia, tem classe moral diferente que permite que você a melhor convivência com aqueles que estão à sua volta”.


De primeira


Talvez tenha comido muitos dos produtos certificados como kosher , sem tê-la aprendido. No México e no mundo existem várias empresas que se dedicam à certificação de que esta classe de alimentos, as quais controlam a fundo cada um dos processos industriais para que se cumpram os requisitos descritos. Isso garante ao consumidor máxima higiene e qualidade, o que refletirá em seu bem-estar geral.


Um exemplo mais eloqüente é o que relata o rabino Antebi: “Nós podemos comer qualquer tipo de fruta e verduras, mas temos que cuidar para que não tenham vermes. Assim, quando inspecionamos um caminhão cheio de pimentas e encontramos três vermes, esse caminhão, e todos esses pimentões, já não podem ser kosher“.


Hoje, o selo kosher, além de ser a marca que identifica a comunidade judaica, que abre o mundo como sinônimo de qualidade, limpeza e saúde, atributos que se encontra grande parte da indústria alimentícia mexicana.

Haverá quem pense que se trata de produtos que colaboram com a boa saúde do cérebro, e estará perto da verdade, mas o conceito de “alimentos inteligentes” vai mais longe, pois desta forma ele se identifica os comestíveis que colaboram com o bem-estar do organismo em geral, aprenda a identificá-los!


Não é um conceito novo, já que o interesse por conhecer as virtudes com que contam certos alimentos para melhorar a saúde é tão antigo quanto a própria humanidade. Não obstante, é o mesmo até há poucos anos, que se deu o adjetivo de “inteligentes” de alguns produtos naturais que têm comprovado cientificamente que ajudam a resolver e prevenir problemas de saúde.


40 alimentos inteligentes


A seguinte é uma lista (em ordem alfabética) de apenas 40 alimentos “muito inteligentes” que oferecem grandes benefícios ao organismo e que podem ser facilmente parte da dieta da população mexicana:



  • Abacate. Seu teor nutricional é elevado, uma vez que são parte dele proteínas, vitaminas, hidratos de carbono e minerais; previne doenças do coração e sistema circulatório, já que impede que se elevem os níveis de gordura no sangue, além de que ajuda a reduzir o colesterol.

  • Alho. Por seu componente natural cisteína, diferindo chamado alicina colabora na eliminação de germes causadores de infecções nas vias respiratórias; além disso, ajuda a regular altos níveis de pressão arterial (hipertensão).

  • Amêndoas. Possuem quantidades significativas de vitamina E, o que se traduz no atraso do envelhecimento celular, além de que, prestam importante aporte energético, cálcio e fibras. Possuem elevado conteúdo de ácidos graxos, os quais impedem a formação de coágulos no sangue, ajudam a regular a pressão sanguínea e diminuem os níveis de colesterol e triglicerídeos (principais tipos de gorduras presentes no sangue).

  • O Arroz. Este cereal fornece vitaminas do complexo B, as quais não são, em essência, fonte de energia, mas ajudam a fornecer o que precisamos para que o nosso corpo se desenvolva adequadamente e possa manter-se dinâmico. Além disso, é ideal para reduzir o colesterol e controlar a pressão arterial elevada, sem esquecer que é rica fonte de ácido fólico —elemento ao que é conhecido como vitamina B9 — e que também previne anemia e úlceras bucais; além disso, favorece o bom estado da pele, retarda o aparecimento de cabelos brancos e protege o organismo do ataque de parasitas intestinais.

  • Brócolis. Esta variedade de couve é rica fonte de vitamina C e fibras, o que ajuda a diminuir o colesterol, controlar a diabetes e melhorar a digestão; encontram-se em estudo de suas propriedades para combater o câncer. Se come cozido ao vapor, mas há quem preferir cru.

  • Amendoim. Sua grande contribuição de enxofre torna um desinfetante das vias respiratórias, mas também possui, em menor quantidade de sódio, ferro, cobre e fósforo; as suas proteínas são melhor aproveitadas pelo organismo, graças à presença de magnésio. Em porções moderadas é recomendado durante a gravidez devido ao seu conteúdo de ácido fólico.

  • Cebola. Se lhe utilizado como desinfetante, capaz de matar germes e bactérias, e como parte integrante de tratamentos para purificar o sangue; diz-se também que é laxante (motiva o esvaziamento gástrico) e diurética (faz o mesmo com a urina), e que contribui para o bom funcionamento dos sistemas nervoso e respiratório. Além disso, este vegetal é rico em vitamina A, ácido fólico e minerais como ferro, enxofre, potássio, cálcio, magnésio, sódio e fósforo.

  • O Chile. Um de seus componentes, chamado de programa do capsaicin, tem propriedades para tratar hemorróidas e regular a pressão arterial elevada. É também fonte de vitaminas A, e e C, que descongestiona e limpa os pulmões, doenças respiratórias; além disso, tem propriedades anticoagulantes para evitar embolias.

  • Coentro. É medicamente utilizado para melhorar os processos digestivos e infecções, especialmente onde houve uma febre, já que ajuda a recuperar a força física e mental; em excesso produz enjôo.

  • Ameixa. Otimiza o aproveitamento dos carboidratos, reduz o estresse, evita a entrada de bactérias no organismo, reforça o sistema imunológico (aquele que nos defende de infecções) e favorece a eliminação de líquidos.

  • Coco. Contém principalmente o ácido fólico (com qualidades que foram mencionados) e vitamina E, que não só protege de doenças cardiovasculares, mas, além disso, permite que a pele se mantenha em bom estado; além disso, fibra, proteína e magnésio encontrados em grandes quantidades, além de que é muito recomendado em pessoas com diabetes, por sua moderada contribuição de hidratos de carbono.

  • Pêssego. Sua principal contribuição é ferro e vitaminas C e e, que evitam o envelhecimento celular e fortalecem o sistema imunológico (protege de infecções); além disso, é suave laxante, limpa significativamente a pele e, por ser muito baixo em calorias, recomenda-se em muitas dietas para perda de peso.

  • Espinafre. Por sua alta concentração de vitaminas A, B e C, além de ferro, cálcio, fósforo, magnésio e potássio, mantém afastada a anemia; contém, em forma abundante ácido fólico, além de ser muito ricas em fibras, por isso, é muito bom que a consumam pessoas que sofrem de prisão de ventre. Ajudam a cicatrizar feridas e aumenta as defesas, e ajudar na digestão e diminuir a pressão arterial, recomenda-se seu consumo a grávidas e mulheres que sangram muito na sua menstruação.

  • Morango. Protege o sistema imunológico, que ataca bactérias, alivia distúrbios digestivos, estimula o crescimento de novas células, fortalece a pele e cabelos, regenera ossos e sangue, e previne contra o câncer e aterosclerose (perda gradual da elasticidade das paredes das artérias).

  • Feijão. Leguminosa que contém cálcio, mineral essencial de ossos e dentes, além de que participa na coagulação do sangue e transmissão de impulsos nervosos; igualmente fornece ferro, necessário para a produção de hemoglobina (substância contida nos glóbulos vermelhos responsável pelo transporte de oxigénio no sangue) e mioglobina (serve para oxigenar os músculos). Seu aporte de zinco permite um desenvolvimento sexual normal e de insulina, além de que se favorece a fortaleza de pele e de cabelo.

  • Girassol. Suas sementes protegem a pele do envelhecimento e aumenta sua elasticidade. De igual forma, contêm ômega 3, substância útil na estabilização dos níveis de colesterol, com a qual se previnem problemas como aterosclerose (endurecimento e falta de elasticidade das paredes das artérias) e cálculos biliares (formação de piedritas na vesícula biliar). Além disso, sabe-se que este produto contém antioxidantes, ou seja, substâncias que ajudam a prevenir o envelhecimento celular.

  • Granada. Alivia a acidez, por isso é um aliado para aqueles que sofrem de refluxo gastro-esofágico, hérnia de hiato ou ardor no estômago. Além disso, melhora a função dos rins e é ideal para as dietas de emagrecimento pelo seu baixo aporte calórico, contém quantidades consideráveis de manganês, vitamina C e as integrantes do complexo B, úteis para prevenir fissuras da pele, secura das mucosas e da deterioração. Por se fosse pouco, são parte dela os ácidos cítrico e málico, que fortalecem o coração e diminuem os sintomas característicos da asma.

  • Fungos. Destaca-se o seu teor de vitaminas do complexo B (B1, B2 e B6) e, acima de tudo, de sais minerais, como fósforo, potássio, ferro, cobre, magnésio e zinco, de forma que colaboram enormemente na formação de tecidos, bem como a controlar o colesterol, a reforçar as defesas e a reduzir os níveis elevados de pressão arterial; estimulam a circulação, são eficaz anti-inflamatório e úteis na melhoria de processos alérgicos, insônia, tonturas e fadiga crônica.

  • Ovo. O de maior consumo, no México, é o de galinha, importante fonte de vitaminas A, E, D e do complexo B, e minerais como sódio, potássio, cálcio, magnésio, ferro e zinco, assim como sais de iodo, fósforo, selênio e zinco. Seu valor nutricional é superior ao de outras espécies animais, como o do ganso, iguana ou codorna.

  • Tomate. Protege do ataque de fungos, bactérias e parasitas, que previne o entupimento das artérias, além de favorecer a qualidade do sono e ativar a digestão. Reduz o acúmulo de ácido úrico (composto de resíduos do organismo), intervém no transporte de oxigénio no sangue e ajuda na formação de glóbulos vermelhos e hemoglobina; sua carência pode causar anemia. Prolonga a vida das células (evita sua oxidação), acelera o processo de cicatrização de fraturas e feridas, e fortalece a manutenção dos tecidos (inclusive ossos e cartilagens).

  • Leite. Excelente fonte de cálcio, proteínas, gorduras, açúcares e vitaminas, pelo que o seu consumo contribui para o desenvolvimento de dentes, ossos e unhas, construção e reparação de músculos, tecidos e órgãos, e ajuda a prevenir anemia.

  • Alface. Em termos gerais, podemos mencionar que diferentes variedades contêm vitaminas C e e, e as integrantes do complexo B, além de ser rico em cálcio, magnésio, fósforo, potássio e sódio, e em pequenas quantidades de cobre, ferro e zinco; são baixas em calorias, favorecem a digestão, além de que ajudam a desintoxicar o sangue e favorecem a formação de urina; não se esqueça de que é recomendado para aqueles que têm dificuldade para conciliar o sono.

  • Limão. Protege contra os efeitos da poluição ambiental, ataca infecções, fortalece o sistema imunológico, melhora a produção de ácidos gástricos, tem efeito calmante, ajuda no transporte de oxigênio para as células do organismo e previne varizes e hemorróidas.

  • Milho. É importante fonte de energia, minerais e substâncias que ajudam a combater infecções, assim como o bom laxante, graças à celulose de sua casca. Suas proteínas de excelente qualidade e aporte de minerais (fósforo, potássio, magnésio, ferro e cálcio), contribuem para estimular o crescimento e a formação de músculos e esqueleto; além disso, o grão contém pequenas quantidades de vitaminas A, E e B3 .

  • Mango. Desempenha funções laxantes (facilita a evacuação) e diuréticas (motiva a ação de urinar); o seu aporte calórico é baixo, o que faz parte de uma grande quantidade de dietas para reduzir o peso. Por seu conteúdo de magnésio permite o bom funcionamento do sistema nervoso e aumenta a secreção de bílis (substância que favorece a digestão de gorduras e eliminação de toxinas). A vitamina B3, que contém é indispensável para a saúde do cérebro, pois ele é responsável pela manutenção dos neurônios, assim como da formação de transmissores nervosas e de hormônios sexuais, produção de insulina, o bom estado da pele e do adequado funcionamento do aparelho digestivo.

  • Maçã. É importante a sua contribuição de vitamina C e de substâncias com propriedades anticancerígenas e antioxidantes (que previnem o envelhecimento dos tecidos), mantendo em perfeito estado ao sistema imunológico; além disso, ajuda o corpo a reduzir os níveis de colesterol no sangue, por seu alto teor de pectina, tipo de fibra solúvel.

  • Melão. Exerce ação revitalizante e refrescante de células de ossos, dentes, pele, olhos, unhas e cabelo; protege contra o ataque de bactérias e vírus, desintoxica os tecidos do corpo, neutraliza os efeitos de triglicerídeos e colesterol (tipos de gordura que predispõe a doenças cardiovasculares) e ativa hormônios sexuais.

  • Laranja. Previne infecções, como gripe e resfriados, reduz o stress, ajuda a melhorar a digestão e mantém a saúde da pele e cabelo. Rica em cálcio, o que a torna ideal para evitar osteoporose, e, além disso, reduz o risco de ter arteroesclerosis e formação de cálculos de ácido úrico.

  • Nopal. Rica fonte natural de fibras, cálcio, vitamina A e 17 aminoácidos (principais constituintes das proteínas), entre os quais se incluem os oito essenciais; melhora o metabolismo (o processo bioquímico pelo qual se aproveitam os nutrientes) e equilibra o sistema digestivo, além de que é excelente para reduzir o açúcar no sangue e, consequentemente, diminuir os níveis de triglicerídeos e colesterol.

  • Noz. Há importantes contribuições para a saúde, graças a que conta com o ácido fólico, vitaminas do complexo B, potássio, magnésio, cálcio, ferro, zinco, sódio e gorduras.

  • Papa. As suas proteínas são fundamentais para a criação de células e tecidos, ajudar na digestão e transporte de oxigênio através do sangue, além de que estimulam o sistema nervoso e inibem o apetite. Seus carboidratos na forma de amido são absorvidos lentamente, o que faz com que o organismo tenha a sensação de saciedade durante mais tempo e que não haja aumento repentino de glicose (açúcar) no sangue.

  • Mamão. Rica em vitamina C, útil para reparar tecidos, neutralizar substâncias tóxicas destrutivas das células do organismo e a reforçar as defesas. Além disso, contém beta-caroteno, um antioxidante que dá a cor alaranjada à polpa e se encarrega de reduzir os prejuízos causados por poluentes ambientais, assim como a papaína, enzima que degrada ou fragmenta rapidamente as proteínas, pectinas e certos açúcares e gorduras, o que favorece a digestão e é útil em pessoas com doenças no estômago ou intestinos, como gastrite, colite, cólon irritável e constipação crônica.

  • Salsa. Contém grande quantidade de vitaminas (A, B2, B6, C e E) e minerais como cálcio, ferro e potássio. Além disso, tem outras substâncias, com diferentes usos terapêuticos, como apiína e flavonóides, que são diuréticos (favorecem a expulsão de líquidos através da urina).

  • Abacaxi. Ataca bactérias e vermes intestinais, descongestiona o pâncreas, reduz a inflamação e alivia o enjoo. É rica em minerais e contém, no mínimo, 18 aminoácidos (pilares da nutrição), uma enzima proteolítica chamada bromelaína, que age como anti-inflamatória e diurética; o suco de abacaxi agiliza o processo de digestão e é excelente remédio para as doenças da garganta e difteria, graças às suas propriedades antibióticas.

  • Banana. Rico em minerais como potássio, cálcio, ferro e fósforo, de forma que ajuda a revitalizar os tecidos musculares, ossos e dentes, auxilia na adequada transporte de oxigênio no sangue e melhora o funcionamento dos sistemas ósseo e nervoso; além disso, possui vitaminas A, C e do complexo B, que evitam o envelhecimento celular e ajudam a criar defesas contra as doenças respiratórias, como o resfriado.

  • Melancia. Ajuda a eliminar toxinas do organismo devido a sua ação diurética, já que 92% do seu conteúdo é água.

  • Soja. Alimento rico em vitaminas, especialmente do complexo B, além de ácido fólico e minerais como cálcio, ferro e fósforo. Esta planta tem alto teor de fitoestrógenos (substâncias semelhantes aos estrogénios que produzem as mulheres em sua vida fértil), pelo que se recomenda para reduzir significativamente os distúrbios do climatério, como afrontamentos, irritabilidade, insônia e sudoraciones.

  • Trigo. Sua casca ou farelo, é excelente fornecedor de proteínas, vitaminas e minerais, fornece energia ao ter carboidratos na forma de amido, celulose, hemicelulosas, pentosanos, dextrinas e açúcares. Diminui os açúcares de sangue por seu aporte de magnésio e vitamina F; além disso, ajuda a combater o colesterol, graças à vitamina E que contém, e a prisão de ventre por seu alto teor de fibra .

  • Uvas. Suas propriedades diminuem a fraqueza muscular, estabilizar a pressão arterial, combate a aterosclerose (acúmulo de gordura nas artérias) para o ajudar a limpar o sangue de toxinas e colesterol, além de que são excelentes para que se restabeleçam rapidamente aqueles que sofrem de doenças infecciosas, como o sarampo (produzida por um vírus que se espalha na saliva; seus sintomas são semelhantes aos de uma constipação, seguidos de uma multidão de pequenas manchas-pintas-vermelhas na pele) , varíola (caracteriza-se por febre e erupção de borbulhas com formação de crostas que, ao cair, deixam cicatriz na pele) e difteria (causa infecções no nariz, garganta, ouvidos, pele, dificulta a respiração e provoca distúrbios no coração e sistema nervoso).

  • Cenoura. É rica em vitaminas A, B e C, assim como o ferro, cálcio, potássio e sódio, de forma que previne cáries e infecções em geral, melhora a acuidade visual e aumenta a formação de esperma; por sua ação diurética (estimula que se urinar frequentemente) não permite o acúmulo de elementos no fígado, vesícula e rins, o que previne a formação de cálculos (pedras); além disso, serve para a geração e conservação de revestimento do tecido da pele e mucosas.

Não menos importantes são as carnes, mas merecem dimensão especial de acordo com a sua classificação.



  • Carnes vermelhas. Parte delas são de carne bovina, carne de porco e carneiro, e sua principal contribuição são as proteínas, responsáveis por criar diversas estruturas do corpo (pele, órgãos, sangue e tecidos); particularmente lisina (um aminoácido destes nutrientes, e que quase não é encontrado em alimentos de origem vegetal), ajuda a formar hormônios e células de defesa contra várias doenças. Além disso, fornece ferro, zinco e cálcio, componentes essenciais para a formação e recuperação muscular, além de que trabalham no transporte de oxigênio para essas estruturas, proporcionando-lhes maior força.

  • Carne de aves. Proteínas, minerais (potássio, sódio, magnésio, cálcio, ferro, zinco) e vitaminas do complexo B são os seus nutrientes mais importantes, mas também contribuem para a saúde com hidratos de carbono, açúcares e fibras, os quais são necessários para a mobilização intestinal e para que o organismo tenha energia. Além disso, oferece importantes quantidades de vitaminas A e C, que beneficiam o funcionamento de vista, músculos e sistema imunológico, sem se esquecer de que são substâncias antioxidantes que bloqueiam o envelhecimento celular e proteger contra vários tipos de tumores cancerígenos.

  • Carne de peixe. Atum, sardinha, arenque, angulas, salmão e truta, fazem parte dos chamados “azuis”, caracterizados por seu importante conteúdo de ácido graxo Ômega 3, que age reduzindo os níveis do mau colesterol (de baixa densidade) no sangue, e aumenta um pouco o colesterol bom (de alta densidade), de forma que diminui o risco de formação de coágulos sanguíneos ou coágulos no sangue, uma vez que minimiza o acúmulo de gordura nas paredes das artérias (aterosclerose). Em geral, os peixes fornecem minerais, proteínas e vitaminas do complexo B, principalmente.

O nutricionista português Dr. Luis Gutiérrez Serantes observa em uma de suas recentes pesquisas, que “os alimentos têm a sua própria inteligência, devido às propriedades saudáveis decorrentes de suas vitaminas, minerais e outros nutrientes e compostos, dos quais nos beneficiamos. Mas se a essas qualidades naturais acrescentar o conhecimento de utilizá-los de forma ordenada e coerente, se transformam em ferramentas para prevenir e melhorar muitas doenças e os transtornos”.


“Assim, acrescenta o especialista—, podem ser úteis para melhorar a partir de depressão, estresse, mau hálito e obesidade mórbida (aqueles que têm 40 ou mais quilos acima de seu peso ideal), até hepatite, acne, anemia ou asma, passando por gota (forma de artrite que apresenta excesso de ácido úrico no sangue; caracteriza-se por inflamação dolorosa e inchaço das articulações mais pequenas, especialmente as do dedão do pé e do polegar), doenças do coração e de circulação, e enxaqueca (dor de cabeça intermitente, que só ataca uma parte da cabeça; está frequentemente acompanhada de náuseas, vômitos e distúrbios visuais) . Os alimentos são um complemento e não uma alternativa à medicina. Embora não curam as doenças, nem substituem nenhum tratamento ou medicamento, são um componente básico da saúde, como o exercício físico e um estilo de vida sem excessos”.

Se as festas deixaram quilos a mais, não pense que deixar de comer é uma forma saudável de acabar com eles, melhor recupera a sua figura, com hábitos alimentares saudáveis. Aqui, dicas para perder peso sem dietas.

Perder peso, Dicas para perder peso sem dietas

    1. Comer mais vegetais. A fibra é um componente exclusivo dos alimentos vegetais que favorece o trânsito intestinal. Se você adicionar aos seus pratos abundantes legumes, alcachofra, espinafre, acelga, alface, cenouras ou jitomates crus, você obtém uma maior sensação de saciedade e melhor digestão com poucas calorias.
    1. Comece cada refeição com uma salada ou uma sopa de legumes feita com caldo; isto irá ajudá-lo a sentir-se cheia devido ao seu alto teor de água e, pouco a pouco você vai conseguir perder peso sem ficar com fome.
    1. Mude as sobremesas cremosas e com abundantes calorias e/ou gorduras por frutas frescas. As dietas saudáveis geralmente sugerem limitar o conteúdo calórico de biscoitos, bolos, sorvetes, gelados ou qualquer guloseima. Se não pode renunciar a esses alimentos, então recorre a adoçantes não calóricos e opta por prepará-los em casa.
    1. Diga adeus aos refrigerantes. As pessoas com obesidade geralmente acompanham seus alimentos com este tipo de bebidas, de forma que, em cada gole adicionam grande quantidade de calorias ao seu corpo. Se na sua lista de propósitos para o novo ano escreveste: “eu Quero perder peso”, então exclui da sua vida os refrigerantes e toma água natural.
    1. Come sem pressa. Consumir seus alimentos a toda a velocidade somente aumenta a probabilidade de que ao levantar da mesa pense: “Me sinto gorda!” Comer rapidamente dificulta a digestão e pode gerar dor de estômago. Pelo contrário, fazer pausas para mastigar com calma cada refeição ajuda no processo digestivo e favorece uma sensação de saciedade.
    1. Use pratos e copos mais pequenos. Reduzir o tamanho do recipiente que você utilize o alimentarte pode diminuir a ingestão de calorias a cada dia, sem a necessidade de submeter-se a programas de emagrecimento pesadelo.
    1. Planeje o que comer a cada dia para não te ver obrigada a tomar uma decisão rápida e errada. Perder quilos sem fazer dieta é possível se você tem a vontade de fazê-lo e se organizar para ter no armário e a geladeira de alimentos saudáveis, bem como recipientes adequados para levá-los para o escritório.
    1. Aumenta a sua atividade e exercício físico. Se quiser adotar hábitos para emagrecer, o melhor será começar a colocar o seu corpo em movimento. Caminhar rápido ou dançar durante 20 minutos, corrida de 10 minutos, usar as escadas no escritório, em vez do elevador ou pedalar na bicicleta estática, em média, de 30 minutos, 2 ou 3 vezes por semana, são atividades que o gasto de energia que representam o ajudarão a recuperar a sua figura.
    1. Não compre roupas em tamanhos maiores! Melhor esforce-se por adotar hábitos alimentares saudáveis que permitem desprenderte desses quilos a mais de forma que aquelas calças de que tanto gosta voltem a ficar de maravilha.
  1. Pratique a regra 80-20. Muitas pessoas deixam de comer somente quando sentir que o cinto começa a apretarles, o que, a longo prazo, torna-se excesso de peso e obesidade. Procura consumir apenas 80% do que te serves, e deixar um pouco (20%); para evitar desperdícios, guarde o restante para outro dia ou compartilhe.

Um dos objetivos mais comuns em janeiro é perder peso, mas para isso, é importante ter uma motivação clara, mudar os hábitos insalubres, aprender a cuidar de si mesmo e, acima de tudo, fugir daqueles programas mágicos que prometem eliminar os quilos da noite para o dia, o qual somente põe em risco a saúde.

Quando você se pergunte como manter os propósitos de Ano Novo, lembre-se que a força de vontade para realizá-los é fundamental, mas também tomar decisões inteligentes. Adota hábitos alimentares saudáveis e incorpora em sua vida truques para emagrecer sem incluir um logotipo da sua dieta.

A época coincide com uma época de muita estabilidade emocional e pessoal. Sabemos qual é o nosso “peso ideal”, com o qual nos sentimos bem e, acima de tudo, o que podemos reter sem muito esforço e sem estar passando fome continuamente.
Além disso, também queremos acabar com o efeito ioiô, resultado de dietas anárquicas e impossíveis. Os efeitos a longo prazo são desastrosas: o organismo se acostuma com os períodos de privação e cada vez temos de nos privar mais e mais para manter um peso constante.

Estratégia

Conhece os princípios básicos de uma alimentação equilibrada para perder peso, mas, às vezes, custa-lhe levá-lo à prática “o dia-a-dia”. No entanto, você verá que é possível conciliar os obstáculos de uma vida ativa, com uma dieta. Organize seus menus com antecedência: os lanches do meio-dia e jantares; tome o seu tempo para tomar o pequeno-almoço copiosamente pela manhã. Desta forma, você vai perder esses dois ou três quilos a mais, sem sofrer, a longo prazo.

Vantagens

Você é capaz de chegar até o fim para atingir seu objetivo de emagrecimento, porque você já sabe o que é importante para você e já adquiriu um maior controle de seu comportamento alimentar.

Armadilhas que você deve evitar

Eliminar os carboidratos da sua alimentação É algo normal quando se trata de alimentos que não comemos por prazer… quando se preparam para o “natural”! No entanto, sem molhos ou aditivos são menos calóricos do que imaginamos (50 g de pão ou 1/4 de baguette, não contribuem com mais de 125 Kcal, o mesmo que um bom tigela de macarrão ou arroz cozido, 125 g aproximadamente). São alimentos que sates muito. Por este motivo, estão sempre presentes em qualquer dieta de emagrecimento em cada uma das refeições, mas em pequenas quantidades (e proporcional à atividade física).

Passar a matéria gorda

Sabemos que contêm muita energia (¡75 Kcal por apenas 10 g de manteiga e 90 Kcal por 10 g de óleo!) e sempre nos dizem que devemos comer menos gordura se queremos gozar de boa saúde cardiovascular. Mas queremos fazê-lo tão bem que nós passamos. Proibir completamente o óleo, significa privar-nos de ácidos graxos insaturados, que são muito importantes para que as células nervosas e da pele se mantenha em bom estado. Eliminar a manteiga e consumir apenas produtos lácteos desnatados, significa assumir uma possível carência de vitamina A e D, que encontramos nos produtos lácteos. Tenta levar cerca de 10 g de manteiga 10 g de óleo por dia.

A dormir!

Tira partido ao sono e dorme o suficiente. Está provado que um défice de sono altera as secreções hormonais e favorece a reserva de gordura e o ganho de peso. Sem esquecer que, depois de uma boa noite de sono, nos encontramos mais descansadas e com melhor aspecto!

Boas ideias para os dias de dieta

3 pequenos-almoços fortes

Exótico, Um chá ou um café, Um grande copo de leite frio batido com 1/2 banana Um brinde + 30 g de queijo light, Um kiwi

3 soluções para refeições rápidas

Club sanduíche sanduíche comprado (sem mahonesa nem manteiga!) com queijo ou atum 1 suco de tomate, Uma maçã + um iogurte light ou natural, como um lanche (iogurte + suco de limão +manjericão + 1 colher de café de óleo), em um recipiente hermético Um iogurte light para beber

3 ideias para jantares-expresso

Piquenique home Salada de milamores + vinagrete leve + 1 colher de café de óleo

colher de café de creme de leite líquido

Uma fatia de rosbif Menestra de legumes Queijo desnatado Uma maçã assada no micro-ondas Nota: a menestra de legumes você pode escolher em frasco, em lata ou congelado. Você também pode substituir a maçã assada no micro-ondas por uma compota natural.
Anne Laurent