Álcool e sexo: uma combinação ruim

Álcool e sedução

O efeito desinhibidor do álcool faz com que muitas pessoas o utilizam para reforçar a sua auto-estima. Sentem que bebem são mais locuaces, mais divertidos que ainda se atrevem a falar com pessoas que não poderiam se aproximar sem ser um pouco bebidos por medo da rejeição.

Uma quantidade justa de álcool pode ter o efeito desejado por muitos e contribuir com alguma confiança a pessoa, que lhe empurrar para falar com as pessoas sem medo, a dançar ou a lançar-se a propor um encontro para quem gosta.

Mas se passamos podemos encontrar um efeito particular. Aquele em que a pessoa bebida parece extremamente divertido e sedutor mas de fora parece uma realidade completamente diferente. Alguém patoso, pesado e com um cheiro desagradável de álcool.

Todos nós temos vivido o passar o tempo com alguém bêbado e não é agradável assim, podemos supor que também não é eficaz quanto à sedução. Se bem é verdade que algumas pessoas se vêem beneficiadas a nível social, essa pequena dose de álcool, e não é errado, mas o ideal seria que encontrassem outra forma de desinhibirse menos prejudicial para a saúde.

Outro efeito conhecido do álcool é aquele que nos faz encontrar com quem não queríamos. Não é estranho para a maioria, seja por experiência pessoal, ou conhecidos, o perceber no dia seguinte que não tivéssemos tido sexo com aquela pessoa, se não fosse pelo álcool. Mais uma vez, a moderação é a chave.

Como afeta o álcool para o sexo?

Embora se sabe que o álcool como estimulante sexual e pode sê-lo em pequenas doses, o efeito desinhibidor anteriormente mencionado, na realidade, é um depressor do sistema nervoso central, o que faz um mau para a resposta sexual.

O álcool afeta o sistema hormonal como o neurológico. Por um lado reduz a testosterona e a hormona de crescimento, segundo estudos feitos com a população jovem, aumenta a concentração de estrogénios e os homens consumidores de álcool pode levar à atrofia testicular e a diminuição da qualidade do esperma.

Também leva a uma redução da atividade dos neurônios hipotalámicas, que são responsáveis pela produção de oxitocina. Esta substância está directamente envolvida na realização do tesão e do orgasmo masculino e feminino, provocando uma alta freqüência de anorgasmia em ambos os sexos.

Quanto à ereção masculina em particular, uma baixa dosagem de álcool e, mais uma vez, devido a essa sensação de estes pode favorecer a excitação em um primeiro momento e, por isso, observar uma ereção mais rápida e intensa. Mas a partir do álcool equivalente ao que se pode beber em duas vezes, combinadas ocorre justamente o contrário e pode sofrer dificuldades não só para conseguir a ereção, mas também para mantê-la, uma vez conseguida. A isto somamos a ansiedade que isso gera e que pode resultar em futuras relações problemas de ereção, mesmo sem ter consumido álcool.

Além disso, o consumo de álcool é a principal razão para não ter em conta os riscos de contágio de doenças sexualmente transmissíveis e gravidezes não desejadas e não usar o preservativo.

Assim, embora o álcool pode favorecer o início, o momento do namoro e até mesmo os primeiros momentos da relação sexual, apenas dois copos podem arruinar o que poderia ter sido muito prazeroso. Dificultando a ereção, proporcionando ansiedade para a relação e retardando ou impedindo totalmente a atingir o orgasmo em ambos os sexos. Podemos dizer com esfericidade que não compensa essa copa mais.

Álcool e sexo: uma combinação ruim
Rate this post